Os motivos da separação

A convivência a dois é sempre um desafio, pois as pessoas pensam e agem de formas e com motivos diferentes. A separação de um casal gera sofrimento para os envolvidos e pode ocorrer por diversos motivos. Esses motivos podem ser:


1 – Desconexão emocional
2 – Afastamento físico
3 – Surgimento de uma terceira pessoa
4 – Problemas com familiares (pais, sogros, cunhados ou outros)
5 – Problemas financeiros
6 – Educação dos filhos
7 – Relações abusivas (física, psicológica, sexual ou material)
8 – Sem motivos específicos


Das motivações citadas acima, embora todas sejam potencialmente dolorosas, quero destacar a última: quando não há um motivo específico! Nesses casos geralmente passa-se um tempo muito grande entre a tomada de decisão e a comunicação da decisão ao par e a outras pessoas, pois a dúvida é intensa e o medo da crítica também, assim como a dificuldade de aceitação do outro.

As pessoas amigas ou familiares próximos sempre perguntam qual o motivo que levou o casal a se separar, e muitas vezes julgam os motivos como suficientes ou não, com base nas suas vivências. Quando não há um ato violento, uma terceira pessoa ou a interferência de familiares, ou até mesmo problemas com dinheiro, o divorciando tende a sentir-se inseguro e
criticado pelas pessoas.

Se você está passando por um processo de divórcio e separação precisa estar atento às suas necessidades e sentimentos, sem ter que atender aos motivos dos outros para ficar ou sair de uma relação.

Se você é amigo ou familiar de uma pessoa em processo de divórcio, é importante oferecer apoio sem julgamentos, resistindo à tentação em medir a dor e a resistência do outro a partir das suas experiências. Apoio é tudo que uma pessoa que está nessa difícil transição relacional precisa!

Tayora Dantas (@taydantaspsi)
Psicóloga Conjugal e Familiar
Gestão de separação e divórcio
Atendimento Online

Luzes, festa e solidão

As luzes estão acesas, a cidade vibrante, nas ruas um certo frenesi, uma
aura de festa e de expectativas instauradas…

É o final de ano, é Natal, são as férias, é a possibilidade de descansar e de viver um pouco mais…

É tempo de se encontrar, de confraternizar, tempo de festejar…

Mas para alguns estes momentos não trazem bons sentimentos, traz exatamente o vazio de estar só, desacompanhado(a), separado(a), e todas estas festividades aumentam o sentimento de solidão.

Todas estas festas nos trazem um desejo nato humano, a busca por estar
em grupo, o desejo de pertencimento.

Uma das maiores buscas do homem é a busca pelo pertencimento, somos seres gregários e, como tal, estar inserido em grupos é também a busca por sobrevivência, ou seja, uma busca existencial.

Já as festividades e confraternizações que realizamos são os ritos de
passagem, de fato, não há uma mudança concreta entre um ano e outro,
mesmo assim, precisamos dessas simbologias para encerrar um ciclo, um
ano e iniciarmos um outro.

A sua capacidade de socialização e de relacionamento interpessoais diz
respeito sobre suas habilidades sociais, mas também sobre sua saúde
mental. Estar em conexão com outros nos traz sentido para vida.

Familiares e bons amigos são, sem dúvida, o que dão sentido ao pertencimento. Então se conecte com as pessoas, confraternize não só agora, mas sempre que tiver a oportunidade.

É tempo de participar, de se juntar, de acolher, tempo de viver, nem que
seja por um tempo, um tempo insuficiente. E que ao menos neste momento, sua solidão esteja distante e você esteja presente, para vida, para alguém.

Literalmente: se doe, como um lindo presente.

Daniel Lacerda
Psicólogo Clínico
Especialista em Saúde Mental

Acompanhe Daniel Lacerda no Instagram:  https://www.instagram.com/psicodaniellacerda/