fbpx

Como pude me iludir tanto?

Um questionamento pertinente e bastante frequente ao término de uma relação. Existe um processo inevitável de ilusão e fantasia. Até porque a paixão é, por definição, o silenciamento (ainda que transitório) da razão.


É importante ressaltar que para muitos o termo ilusão dá a ideia de processo passivo – como se fosse mais responsabilidade do outro do que nossa. Como se o outro nos ludibriasse e não nós mesmos que tivéssemos visto aquilo que nos interessava. Entender que é um processo autoral e ativo, ainda que inconsciente, é fundamental.


A ilusão dentro do contexto de uma paixão é inevitável. Sentimentos e emoções tomam conta de nossa vivência; dando espaço para que impulsos e energias inconscientes tomem as rédeas da situação. Governados por aquilo que é emoção, em detrimento daquilo que é razão.


Porém, se sistemática e constantemente olharmos para dentro, podemos prever alguns desses apreços que nem sabíamos ter. Qualquer processo analítico é oportunidade de compreender de forma mais clara aquilo que nos irrita, enoja, distancia e aquilo que nos fisga e aproxima.


Conhecer a nós mesmos é ferramenta para, possivelmente, prever essas ilusões. Além disso, entendendo a relevância inconsciente desses sentimentos, podemos nos perdoar por termos “nos iludido tanto…

Para concluir, cito Paulinho da Viola, que dizia:
“A todo instante rola um movimento
Que muda o rumo dos ventos
Quem sabe remar não estranha
Vem chegando a luz de um novo dia
O jeito é criar um outro samba
Sem rasgar a velha fantasia”
É preciso aprender a remar…”

Por Gustavo Villa Real, médico (CRM 209727/SP), psicanalista e colaborador do Idivorciei. 

Instagram: Saude Mental (@dr.gustavo.villa.real) • Fotos e vídeos do Instagram

Seja nosso parceiro preenchendo o cadastro abaixo!