Todo recém divorciado precisa de um colo de Mãe

O tão famoso dia das Mães chegou.

Dia que homenageamos mulheres que realmente assumiram esse compromisso de criar e cuidar de outro humano, deixando o seu legado.

Tínhamos tantos assuntos para abordar e homenagear essas mulheres, de como a vida da mãe está difícil nesta pandemia, sobre a condição emocional que se encontram, sobre as mães solo que fazem além do esperado por qualquer ser humano.

Elas são heroínas que estão deixando de comer para doar aos seus filhos. São mães de luto por perderem seus amados filhos para o Covid, ou para qualquer outra enfermidade. São mães que erram tentando acertar, são mães recém divorciadas que mal sabem por onde recomeçar.

A vida de mãe nunca foi tão desconstruída para sociedade é evidenciada em sua dor. Ser mãe é recompensador quando vemos que a sociedade nos ajuda a criar nossos filhos e não a destruí-los. Nosso maior desejo é ver nossas mãezinhas felizes, com apoio de outras pessoas. 

A vida de mãe tem tantos estágios, mas nunca o colo de mãe foi tão necessário. Aquele colo que podemos voltar, que podemos chegar no portão da casa dela aos prantos e dizer: “mãe acabou, vamos nos separar”. Esse colo mesmo que virtual, que nos apoia e nos puxa a orelha quando necessário. 

Mães, nós da Idivorciei queremos que saiba que sua luta é nossa também, que suas dores são nossas e o recomeço diário para com sua alegria de viver, pode ser segurando a nossa mão.

Filhos, o valor de uma mãe que ama seu filho, não pode ser calculado, explicado e mensurado, dessa forma, a homenagem deve ser sempre e sempre.  

Feliz dia para nossa mulher. Reconheça-se e receba toda a homenagem que chegar até você.

Reconheça seu valor.

O Signo de Touro e o Divórcio

Aproveitando que o sol entrou no signo de Touro no dia 19/04/2021, às 17:31, criei este texto para refletirmos sobre a dificuldade que alguns signos têm em lidar com a separação.

O signo de Touro é um deles.

A maioria de nós sabe (e até tem prazer em afirmar isso) que o signo de Touro é teimoso, o que não deixa de ser verdade – eu, como bom taurino que sou, prefiro dizer que temos a personalidade forte, mas, às vezes, tenho que dar o braço a torcer!

Mas porque isso é verdade? E o que isso tem a ver com separação?

Conceitualmente, podemos subdividir os signos em várias maneiras diferentes, a mais comum é por elementos (fogo, terra, ar e água), mas existe uma outra forma que é tão importante quanto os elementos: o modo de comportamento.

O signo de Touro faz parte de uma divisão comportamental chamada “modo fixo” que é quando achamos um jeito de viver que é seguro e confortável e passamos os nossos dias lutando para nos mantermos dentro do que é conhecido. A segurança e a previsibilidade é algo muito importante para o Touro, instabilidades não são desejadas pois não nos sentimos encorajados pelas novas descobertas, quem gosta de novidade é Gêmeos, Sagitário… e é por isso que o taurino é taxado de teimoso, “só” por querer manter as coisas do jeito que ele conhece.

Quando nós nos damos de frente com a separação, todo o mundo seguro criado é destruído o que causa muita estranheza (para não dizer medo) em quem está acostumado a viver no estável, mesmo que o estável não seja o ideal.

Para quem vive com taurinos, esse comportamento é até bom, pois sempre sabemos o que esperar de uma pessoa tão estável e fiel. Porém, para o Touro nem sempre é bom pois quando a mudança surge (e ela sempre surge) não temos a menor habilidade para lidar com essa demanda. E isso faz com que a separação se torne uma tortura a longo prazo.

Uma boa dica para os taurinos é: sempre tente coisas novas. Mas aos poucos, sem grandes pretensões de se tornar mestre em viver sem rotina. Se exponha a lugares novos, pessoas diferentes, alguma “aventura”, tente comportamentos diferentes de vez em quando para que você possa começar a desenvolver alguma habilidade em lidar com o inesperado.

Outra dica é algo quase absurdo, mas é necessário: pratique o famoso desapego. Mais uma vez, de forma controlada e constante como, por exemplo, fazer uma limpeza no armário e doar roupas antigas (não você não vai precisar daquela calça que está guardada no mesmo lugar há 7 anos, se você não usou até agora, não vai usar mais, manda embora). Esses pequenos exercícios de limpeza em casa, de coisas que estão guardadas há muito tempo, ajuda bastante a entender o que é se separar de algo. É a ação que conta, o simbolismo. Tente uma vez e veja como se sente…

Na fase de separação, aprender a lidar com o desapego é algo essencial para conseguirmos dar o próximo passo, mas isso é algo que vem com treino.

Aprender a abrir mão é muito difícil para todos, mas para o Touro é ainda mais. Aliás, não só para o taurino mas para todos os signos “fixos” do zodíaco: Leão, Escorpião e Aquário.

Por fim, é sempre bom lembrar que nosso mapa natal é constituído por todos os signos e se você está se sentindo estagnado, apegado, com dificuldade de aceitar uma nova fase, é bem possível que você tenha lua em Touro ou Ascendente em Touro e não saiba. Busque se informar sobre seu mapa pois isso ajuda muito na compreensão do momento e na tomada de decisões.

Por: Nando Rahner – Astrólogo

Instagram: https://www.instagram.com/nandorahner_astrologo/

Site: http://nandoastrologia.com.br/

Corpo e mente são um só. Mas a mente ajuda ou atrapalha o coração?

As duas coisas. E quanto mais cedo você entender isso, mais rápido vai conseguir melhorar a sua vida.


As emoções ruins costumam nos deixar sem disposição, sem “forças para continuar”. Mas como ter “força” se tanto a mente quanto o corpo estão sofrendo?


Frustração, depressão e ansiedade podem causar sintomas físicos como dor no peito, indisposição, parestesias (aqueles “formigamentos” e “dormências”), falta de ar e até contrações ou espasmos musculares.


As sensações físicas causadas pela mente geralmente não tem uma causa física identificável, é o corpo sofrendo por uma doença que só existe na sua cabeça. Os sintomas são reais, a doença física não.


Mas como controlar a mente e se livrar dos sintomas físicos? 
Existem várias maneiras de controlar esses sintomas, e a maioria delas é fácil e barata como através de meditação, atividade física e terapias manuais. Atividades que foquem a sua mente em algo que não seja você mesmo e seus sentimentos.


Quando meditamos a respiração e o coração ficam mais lentos, a pressão arterial abaixa e o corpo entra em estado de repouso. Diminuindo os desconfortos físicos da ansiedade, por exemplo. Os exercícios, além de todos os benefícios cardiovasculares, fortalecem o corpo, fazem você se acostumar ao desconforto, melhoram a qualidade do sono e ainda produzem hormônios que induzem a sensação de bem estar. São os mesmos hormônios, as endorfinas, que nos deixam felizes quando comemos um chocolate.


Outro sistema intimamente relacionado às emoções é o imunológico. A imunidade pode piorar em momentos de estresse e ansiedade intensos, principalmente quando crônicos, ou melhorar com uma saúde mental adequada, com uma vida feliz.


As emoções podem tanto melhorar quanto piorar sua vida e sua saúde. Não é uma relação direta, nem simples, mas com um pouco de esforço podemos nos conhecer melhor e cuidar tanto do corpo quanto da mente para melhorar a qualidade de vida.


Viva, emocione-se, chore, ria, não se esconda das emoções e esteja sempre consciente de que elas não podem ser controladas, mas você pode controlar a forma como reage a elas. 

Cuide do corpo e da mente.
Seu coração agradece.

Por: Leandro Franco

Cardiologista CRM 129128

Acompanhe Dr. Leandro Franco pelo Instagram: Dr. Leandro Franco (@drleandrofranco) • Fotos e vídeos do Instagram

Processos de divórcio explodem em São Paulo e criam oportunidades para empreender no setor

Em todo o estado, foram 53 mil casos só no primeiro semestre de 2020

Os divórcios em São Paulo movimentaram o terceiro maior volume de processos julgados nas varas de primeira instância paulistas em 2020, primeiro ano da pandemia de Covid-19. Foram 53 mil casos só no primeiro semestre do ano passado.

Os dados estão no 11º Anuário de Justiça de SP, da editora Consultor Jurídico. Houve grande aumento também no número de divórcios realizados em cartórios: 43,8 mil processos no segundo semestre de 2020, segundo informações do Conselho Notarial do Brasil,  que registrou alta em 22 estados e no Distrito Federal. 

Quase 20% das separações no Brasil já são feitas por meio de cartórios de notas.  Mas enquanto uns continuam chorando, outros se reinventam e fazem do limão uma limonada. O ditado ‘cai como uma luva’ no caso da criação da plataforma iDivorciei, da empresária Calila Matos, que oferece diversos serviços e soluções para quem passa por um processo de separação. “Usei a minha própria experiência no divórcio para criar a startup e dar apoio a todos que precisam superar essa fase difícil. Somos quase 30 especialistas que formam uma rede do bem”, diz Calila.

A startup conta com a orientação de especialistas em dez áreas prioritárias: saúde emocional, assessoria financeira, assessoria jurídica, carreira profissional, cursos, moradia, bem-estar, viagens, compras e relacionamentos.

O Idivorciei também oferece desconto em produtos, por meio de parcerias com empresas como Unilever, Wemoov, Destino Férias e Atomica App. Além disso, junto com uma agência de turismo, oferece pacotes especiais de viagem para pais e mães solo; divorciados LGBT+; e pacotes customizados para pessoas maduras divorciadas.

“Nossa intenção é ampliar cada vez mais o leque de parcerias e serviços para acolher as pessoas divorciadas da mellhor forma possível. Movimentamos também nossas redes sociais com postagens e lives com especialistas abordando assuntos de interesse do público divorciado ou em processo de separação. É um projeto amplo. A gente fala de dor nesta hora em que o mundo está doente de relacionamentos e aponta caminhos. Estamos preparados para dar esse suporte”, conclui a empresária.

Mais informações:

Assessoria de imprensa do Idivorciei

Ex-Libris Comunicação Integrada

Cristina Freitas (21) 99431-0001 – cristina@libris.com.br

O sofrimento transformado em empreendedorismo e solidariedade

*Calila Matos

Estou divorciada há quatro anos, foi muito duro o período da separação. Recordo que na época em que me divorciei tive assessoria jurídica e procurei por ajuda psicológica, pois o sofrimento era gigantesco. Muitas dúvidas, filho pequeno, como recomeçar? Hoje, me sinto privilegiada por ter conseguido apoio, enquanto muitos não têm.

O divórcio não é apenas um papel assinado. Vai muito além.

As pessoas que cercam um recém-divorciado não as apoiam por muito tempo, pois a sensação de luto é muito particular, varia para cada um; afinal, ninguém morreu. No entanto, é preciso considerar que uma vida passada morreu, uma rotina, um investimento, um mundo particular.

A performance no trabalho cai e o choro às escondidas é inevitável. Por dentro, no entanto, eu estava quebrantada. Quando nos damos conta, estamos calados, com sorrisos forçados para conseguir conviver com uma máscara social.

O recomeço aconteceu aos poucos. Mudança de casa, nova escola para a criança, novas roupas. E, assim, eu me redescobri em uma mistura de medo com surpresas. Nos detalhes, via que poderia me reerguer sem ele, sem meu velho eu. 

Muitas decisões foram tomadas, iniciando com um pedaço de papel, no qual escrevi o que eu tinha vontade de fazer, sem julgamentos, sendo sincera comigo mesma. E lá ia eu, colocar em prática tudo o que não conseguia fazer enquanto casada, e foram muitas coisas! Iniciar uma atividade física, retomar as aulas de inglês, me voluntariar em uma ONG, reencontrar amigos da faculdade, ficar com meus irmãos, dançar com meu filho na sala sem qualquer recriminação de olhares.

Voltei a me olhar no espelho e, aos poucos, minha autoestima foi sendo reconstruída, meses a fio jogando fora todo lixo emocional que carreguei por anos.

Descobri que poderia ter sido diferente, mas precisei passar por muita dor emocional e aprender a olhar o próximo. Quantos passam por isso sem qualquer apoio, com a sensação infinita de solidão e muitas culpas?

Foi aí que decidi criar o Idivorciei, plataforma que oferece um hub de serviços e orientações que ajudam a transformar a dor do término do casamento em uma experiência de superação. Quero ajudar as pessoas que passam por esse mesmo processo de dor e conflitos a dar a volta por cima.

Da dor ao amor, me sinto hoje preparada para amarrar pontas entre muitos profissionais que são fundamentais nessa fase de separação; fortalecendo os planos de abrigar e orientar pessoas divorciadas e seus filhos. 

Que nossa cadeia de infinitas dúvidas entre o que é certo e errado, do amor e do ódio, seja revista para que possamos viver melhor, conosco e com o próximo.

Meu divórcio foi necessário. Sem ele, não saberia o que é ser feliz hoje.

*Calila Matos é empresária, especialista em marketing, gestora comercial e voluntária em projetos sociais.

Descubra sua beleza parte 5

Oieee! E aí, preparada para mais um post recheado de informações novas? Bom se você está seguindo minha série de vídeos, aqui no Idivorciei, sabe que minha visão sobre a beleza é bem diferente, precisamos primeiro conhecer a mente, para então valorizar a beleza que há aqui fora.

Nessa série de vídeos, eu vim falando como cada traço é formado, e é por isso que você tem o rosto que tem, os olhos, a boca e todo o seu corpinho. E através do corpo conseguimos descobrir como a mente funciona, e assim introduzir o autocuidado, trazendo rotina diária de autocuidado personalizada de forma única.

Como eu disse no primeiro vídeo, eu não acredito em um padrão de beleza, por isso que só o estudo do visagismo não me deixou convencida, e fui estudar mais sobre o assunto. Porque duas pessoas com o formato de rosto redondo, por exemplo, pensam e agem diferente e tem uma interpretação do mundo diferente. Então, não dá para dizer para essas duas pessoas de rosto redondo que elas precisam usar o mesmo corte de cabelo, maquiagem ou roupa. Porque muito provavelmente os traços de caráter delas são em porcentagem diferentes, então a forma de ver a própria beleza vai ser diferente.

Por isso optei em trabalhar com a beleza, para entender primeiro cada pessoa de forma única, para um melhor direcionamento, e aproveitamento de tudo que eu puder passar para aquela pessoa. Então bora lá, vamos falar do quarto traço de caráter a ser formado é o masoquista, e ele tem origem no início da fase anal, onde a criança começa a ter controle do esfíncteres, ou seja, na fase do desfralde.

Masoquista é um termo usado inicialmente por Wilhelm Reich, que defendeu a análise do caráter, por isso me mantenho fiel ao nome. O termo usado aqui não se refere ao transtorno masoquista, ok? Lembrando sempre que temos os 5 traços, uns em mais evidência do que outros. Entenda a estrutura de caráter como uma posição de defesa do seu sistema. Quem tem a estrutura masoquista em mais evidência sentiu a dor da humilhação e registrou um trauma que também lhe trouxe qualidades.

No período do desfralde a criança não tinha total controle e se sentiu humilhada, possivelmente por deixar escapar e fazer as necessidades nas calças. Para evitar essa humilhação, ela sente que é melhor guardar tudo dentro de si e para isso começa a comprimir os músculos do bumbum, o que lhe dá aquele bumbum pequeno e para dentro. Seu corpo se torna reto, quadrado e pesado.

O rosto também é quadrado. Seus músculos são duros e tem muita força física. Emocionalmente se torna muito forte também, guardando tudo para si, inclusive o que é dos outros. São ótimo para guardar segredos, são pessoas muito detalhistas e adoram planejar absolutamente tudo. Só conseguem expor seus sentimentos quando sentem muita confiança. Como esse traço gosta se seguir métodos, e são constantes em tudo que fazem, se inserirmos uma rotina de autocuidado que se adeque a sua vida esse traço não terá dificuldade em executá-lo, já que são muito bons em processos.

Então, o que para alguns ter rotina é chato, já para quem tem esse traço ter rotina é maravilhoso, porque são constantes, gostam de processos e não desistem fácil das coisas, vão atrás do resultado. Então ajudar esse traço compreender a sua beleza, sua imagem e ensinar como cuidar dessa parte e quais ganhos ele pode ter, é certeza que ele fará com grande maestria.

Como se relacionar com uma pessoa que tem esse traço em mais evidência? Proporcione um ambiente que esse traço se sinta seguro, por ele tem a dor da humilhação, esse traço precisa da segurança. Por isso, eles seguem métodos, dificilmente ficam pulando de emprego, de relações. Eles são perfeccionistas e metódicos, então não critique esse jeito de ser, procure até mesmo elogiar e evidenciar as coisas que esse traço faz. Porque afinal de contas o masoquista demonstra os sentimentos fazendo, não espere beijos, abraços e falas amorosas.

Ele simplesmente vai fazer coisas que vão ser úteis. Isso é só um pouco do que esse traço é Se identificou? Conhece alguém assim ? Nos encontramos no próximo vídeo! Um super Beijo e até a próxima

Instagram: https://www.instagram.com/lindapramimoficial/

Oral: O segundo traço a ser desenvolvido e como estimular o autocuidado

Oi! Como é bom ter você aqui mais uma vez.

Espero que até aqui toda essa informação esteja fazendo sentindo, mas se não estiver, fique calmo, prometo que até o final dessa série de postagem você vai entender.

É muita informação para um texto só, então aproveita que você já se interessou pelo assunto e está buscando conhecimento, não deixa de acompanhar a gente lá no nosso canal do Youtube do Idivorciei que tem muito conteúdo por lá, e também no Instagram @idivorciei.

Bom, hoje vamos falar sobre o segundo traço de caráter que ajudou a formar nosso corpo.

O traço de hoje é chamado de Oral, a sua fase de origem é durante o processo de amamentação.

Lembre-se, que todos nós temos os 5 traços de caráter, alguns vão sobre sair mais e outro menos. 

Quem tem o traço oral em uma porcentagem considerável sentiu a dor do abandono e registrou um trauma que também lhe deu qualidades.

No período de amamentação o bebê sentiu que não teve suas necessidades atendidas.

O que não significa que a mamãe ou quem cuidava desse bebê tenha sido relapso, a criança interpreta o mundo de acordo com a visão dela, que é bastante limitada, então não estamos falando do fato em si, mas sim da interpretação dos fatos dado pelo bebê.

Um vazio se instalou em seu sistema, então por mais que a pessoa receba dos outros e da vida, sempre sente que não é suficiente.

O corpo do traço o Oral e mais redondinho, fofinho e quentinho, as pernas mais curtas e um olhar de quem pede colo, sabe a carinha do gato do sherek? É um bom exemplo.

É a estrutura de caráter mais propensa a engordar justamente por buscar preencher o vazio que sente, por vezes com comida.

Essas pessoas gostam de contato físico, colo, abraços e carinho. Detesta estar sozinho e quando na dor é capaz de suportar relacionamentos ruins e doentios só para não ficar sozinho, expressam muito seus sentimentos e são bastantes emocionais, choram com facilidade.

A grande qualidade desse traço é a comunicação, como gostam de estar com pessoas, esse traço traz movimento para vida não só dele, mas das pessoas a sua volta.

Não espere razão e objetividade dos orais, pois eles são muito emocionais.

Mas como cuidar da beleza do traço Oral? Como estimular uma pessoa que tem uma porcentagem considerável desse traço a se embelezar e praticar o autocuidado?

Já sabemos que esse traço é comunicador, gosta de estar com pessoas, de se relacionar, ao mesmo tempo que gosta de estar arrumada, bem vestida gosta de conforto e praticidade.

Então para que uma pessoa que tem esse traço continue se cuidado, é bom fazer acordos internos como por exemplo:

Ah! Hoje eu vou me maquiar, praticar skin care e escovar o cabelo, vou por uma roupa bonita, porém vou usar calçado confortável.

Parece simples isso, mas para a mente de oral funciona muito bem, poque a pessoa não perde o estimulo de cuidar da própria imagem.

Se colocar muita coisa para esse oral fazer na rotina do seu dia em relação a imagem, vão ser muitos processos e aí ele não dá conta, ou se tira a parte do conforto que é necessária para um oral ele também não vai da conta.

E a ideia aqui, é que a pessoa que esteja buscando esse autocuidado comece a valorizar quem ela é, e adapte toda a informação de beleza, moda, tendência que existe nas mídias para ela.

E é claro vamos falar de como se relacionar com esse traço, o oral sabemos que ele é muito comunicador, e muito emocional.

Então uma pessoa com uma porcentagem considerável desse traço precisa de muito carinho, muita atenção, conversar bastante, parasse básico e que todos nós precisamos disso, mas é sério uma pessoa que tem muito desse traço precisa disso muito mais do que as outras pessoas que talvez não tenha tanto desse traço em evidencia.

Então para que uma relação fique leve seja amorosa ou social, ou com os filhos, esse traço precisa ter muitos amigos, sair, interagir com outras pessoas.

Por exemplo: uma ou duas vezes na semana vai encontrar os amigos para jantar, happy hour, joga uma partida futebol, um dia de garotas, e de preferência que esses encontros de duas vezes na semana seja com turma de amigos diferentes.

Porque isso? Porque o oral ele muito emocional, muito contato físico, então é importante que essa energia seja distribuída para que tanto para os amigos, ou dentro de uma relação amorosa a pessoa que esteja interagindo com um oral não se sinta sufocada ou sobrecarregada.

Por que o Oral tem muito a oferecer, por isso é importante essa destruição. 

Aqui é só uma pitadinha de informação para você começar a entender esse estudo magnífico.

E vê como é importante saber quem nós somos.

Assim a aceitação da própria imagem fica mais fácil e leve.

E muito melhor de compreender e entender nós mesmas, e assim iremos fazer escolhas conscientes e inteligentes.

E melhor de tudo vivendo dentro das nossas qualidades.

Você se identificou? Conhece alguém assim? 

Fica ligada aqui no Idivorciei que logo logo venho falar com você sobre o terceiro traço a ser formado.

Compartilhe com aquela pessoa que você acha que deva conhecer esse conteúdo 😉.

Um super Beijo e até a próxima.

Instagram: https://www.instagram.com/lindapramimoficial/

Por que é tão difícil lidar com a separação?

O divórcio normalmente é um processo muito doloroso. E por que será que é tão difícil lidar com este processo? 

Acredito que um dos motivos seja a nossa dificuldade de lidar com perdas, mesmo algo que não é mais positivo, algo que traz sofrimento, temos muita dificuldade de nos desapegarmos, porque criamos vínculos e dependência afetiva e emocional. 

Talvez não seja o sentimento de solidão pela relação ou pela pessoa, mas todo o sentido que aquilo aparentemente trazia. Mesmo terminando uma relação, ao qual não vejo mais sentido, posso me ver numa vida com menos sentido ainda. 

Quado nos desconectamos de alguém, nos separamos, largamos um emprego, mesmo não queremos mais aquela vida, temos dificuldade de enxergar uma nova vida e parar de depender emocionalmente. 

A verdade é que precisamos de novos objetivos, de pessoas que nos ajudem a fazer esta transição, que nos ajudem a reencontrar este sentido da vida. 

Só então podemos perceber e entender que na verdade, aquela relação mesmo não fazendo sentido, às vezes tapava um buraco existencial em nós. 

E quando eu me reencontro comigo, com a minha essência e com pessoas que obviamente podem me ajudar ( família e amigos), começo a conseguir seguir em frente. 

A dor não está necessariamente na separação e na falta do outro, talvez a dor esteja na distração que esta relação me trazia e que me escondia de mim mesmo e dos meus vazios. Portanto, nada pode dar mais sentido e entusiasmo para nós do que nos conectarmos com nós mesmos, pode parecer até filosófico demais, mas na sua essência está a razão da sua existência, e só se conectar com isto.

Acompanhe Daniel Lacerda no Instagram: https://www.instagram.com/psicodaniellacerda

Existe vida após a separação

Olá, meu nome á Alex Mota, sou publicitário, consultor de marketing e palestrante motivacional e um apaixonado por estudos científicos sobre comportamento pós-separação e relacionamentos. E fui convidado pelo Idivorciei a compartilhar com vocês um monte de informações e dicas que vocês precisam saber para dar uma bela volta por cima depois de uma separação. A boa notícia é que se você está sofrendo bastante com tudo isso, achando inclusive que está à beira de uma depressão – o que é super natural diante de uma ocasião dessas -, é sinal de que o seu cérebro está funcionando em perfeito estado.

Eu também sofri pacas com a minha separação, depois de 30 anos de relacionamento onde eu constituí inclusive, uma família linda, um patrimônio que foi dividido e alimentei muitos sonhos idealizados logo que os filhos se formassem, até que quando tudo parecia estar caminhando para uma fase de tranquilidade e missão cumprida, veio o pedido de divórcio.

Fui à lona, fui parar literalmente no fundo do poço e quase deixei a peteca cair. Mas decidi que essa paulada na moleira não iria me derrubar. E no meio de uma fase de muito sofrimento, conflitos mentais e uma quase bem sucedida tentativa de suicídio, eu decidi mergulhar em estudos e pesquisas científicas realizadas pelas mais renomadas universidades do mundo sobre neurociência, psicologia comportamental e ciência da felicidade.

Somados a um conhecimento em psicologia do marketing adquirido ao longo da minha carreira profissional e estudos aplicados em minhas palestras motivacionais, esse amplo aprendizado me fez sair do fundo do poço em menos de um mês, me fez renovando e me colocou na direção certa para conquistas que eu jamais imaginei a partir do terceiro mês praticando o que eu aprendia. E com tanta coisa boa que me aconteceu e que ainda vem acontecendo, decidi compartilhar esse conhecimento todo com pessoas que passam por essa catástrofe psicológica da separação.

Tudo isso tem sido uma experiência incrível pra mim. Então vem com a gente, porque vai ser incrível pra você também. Salve aí o Idivorciei na sua lista de favoritos, cola da prova desse timaço que o Idivorciei está convocando pra você e você também vai passar de ano, ok?

Juntos, vamos fazer dessa sua experiência da separação, uma jornada incrível! Um grande abraço e tenha certeza de que mais cedo do que você imagina, tudo vai ficar muito bem!

Alex Mota
Instagram.com/vidaaposaseparacao
facebook.com/vidaaposaseparacao
www.existevidaaposaseparacao.com.br

https://www.youtube.com/watch?v=R1qN_rXe8so