Divórcio, férias e coparentalidade

As férias podem ter um significado diferente para as famílias que estão em processo de divórcio ou perto de se divorciar. Quando os pais moram em casas separadas, e até mesmo em cidades distantes, muitas coisas se complicam com facilidade e pode levar a diversos conflitos.

Muitas famílias possuem tradições com nos verões passamos férias na casa de tal vô/vó ou na casa da praia dos tios ou padrinhos e agora com essa situação nova como fica? Ninguém sabe como essas tradições continuarão quando os pais decidirem se separar. Embora encontrar alegria e paz durante a temporada de férias possa parecer um desafio gigantesco, certamente ainda é possível se os pais concordarem em permanecer flexíveis e colocar as necessidades dos filhos em primeiro lugar.


Convivência e férias

A convivência é geralmente estabelecida através de uma decisão judicial ou então em um acordo entre as partes e aprovado pelo tribunal. Ali deve estar descrito como as visitas e os feriados são partilhados entre os pais. Mesmo que o seu divórcio ainda não seja definitivo, deve ter sido ajustado um regramento temporário e que fornecerá as orientações.

A maioria dos arranjos de visitação incluem uma de três opções:Não há uma programação especial de feriados e férias, o que significa que a programação regular de convivência se aplica mesmo durante os feriados, com Natal, ano novo, carnaval e outros feriados.Pode também haver um cronograma especificado, mas os pais podem concordar em modificar e flexibilizar o cronograma, se desejarem, ou então podem optar por seguir o cronograma como padrão/regra, (ou seja, não há negociação).

A programação de feriados e férias pode estar especificada com horários de início e término definidos determinando a convivência de cada pai com os filhos em determinados feriados, aniversários e outras ocasiões especiais.Em teoria, qualquer uma dessas três opções pode funcionar, mas as duas primeiras podem apresentar alguns problemas.

Na primeira situação, não há garantia de que um dos pais ou o outro permanecerá com os filhos durante as férias ou durante um determinado período do ano. Já no segundo, pode haver uma série de conflitos desnecessários se os pais não chegarem a um acordo sobre uma convivência satisfatória. Para evitar a maioria dos conflitos, a opção três é o plano mais comum implementado em uma ordem ou acordo judicial.

No período de férias das crianças já que estão de folga existem várias maneiras comuns de lidar com a convivência durante as férias. A primeira é que os pais dividam o intervalo em duas partes, com um dos pais tendo os filhos durante a primeira metade e o outro durante a segunda. A outra opção é fazer com que um dos pais tenha um período de descanso durante os anos ímpares e o outro durante os anos pares, novamente com permissão para visitas.

Para os pais que moram perto um do outro, às vezes também funcionará manter a mesma programação regular durante todo o ano, mas dividir os dias de todos os feriados principais (ou seja, a mãe fica com o dia Natal até as 14h e o pai depois das 14h , e uma divisão semelhante para Ano Novo ou qualquer outro feriado, que pode alternar entre os pais a cada dois anos).Caso vocês desejam fazer alterações na programação de visitas. Vamos supor que haja um cronograma de visitação definido e que ele não se enquadre nos planos de vocês esse ano. Vocês podem sim fazer ajustes, desde que ambos concordem. É aqui que a criatividade e o compromisso se tornam habilidades essenciais para navegar no cenário da co-parentalidade após o divórcio.Uma das melhores coisas que você pode fazer quando deseja modificar uma programação é avisar com antecedência e permanecer flexível.

Se você está pedindo ao ex que desista de algo, esteja disposto a dar a ele algum tempo extra com os filhos em troca.Embora você tenha a opção de rediscutir tudo em juízo, é importante entender que um ex não precisa concordar com nada que não esteja no acordo ou decisão de guarda/convivência. No final, os tribunais preferem que vocês resolvam seus problemas entre si e decidam o que é melhor para as crianças, em vez de pedir para um juiz que o faça.

Se ficar claro que o cronograma de visitação não está funcionando entre você e seu ex, e vocês não conseguem encontrar arranjos alternativos por conta própria, é possível solicitar uma modificação no cronograma de visitação. Lembre-se, porém, de que, para ter sucesso, você teria que mostrar que houve uma mudança significativa nas circunstâncias desde seu último pedido, e que estas afetam o bem-estar e o melhor interesse de seu filho.

Em outras palavras, uma modificação provavelmente não terá sucesso se for simplesmente baseada na sua própria conveniência ou na conveniência do seu ex.Fale com um advogado especializado em direito da família para receber mais orientações.Não é incomum que os pais priorizem suas próprias emoções ao tomar decisões importantes sobre as férias.

Você e seu ex devem sempre tentar manter o foco em seus filhos, deixando-os saber ao longo da temporada que eles são amados por vocês dois.Em alguns casos, quando um ex piora as coisas ou uma situação fica muito difícil lidar com toda situação sem ajuda.

Se você estiver enfrentando qualquer tipo de questão jurídica familiar, como divórcio, guarda, pensão alimentícia ou a necessidade de modificações, consulte advogados experientes em direito da família que podem ajudar. Entre em contato com o Idivorcie que podemos oportunizar ajuda para agendar sua consulta inicial. 


Por Martina Madche – Advogada – OAB/RS 60.281

http://martinamadche.blogspot.com/

https://www.facebook.com/martina.madche

https://www.facebook.com/divorcioparaelas
Instagram: @martinamadche e @divorcioparaelas  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja nosso parceiro preenchendo o cadastro abaixo!